A Prefeitura de Teresina, através da coordenação Agenda Teresina 2030, vinculada a Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN), realizou nesta sexta-feira (03), a oficina de apresentação dos resultados preliminares da Análise de Vulnerabilidade à Mudança do Clima para o Município de Teresina e discussão dos principais indicadores de vulnerabilidade e exposição às mudanças climáticas a serem usados na continuidade do estudo. O evento aconteceu no Centro de Educação Empresarial (CEE/SEBRAE), no período da manhã.

“Estamos construindo o plano de adaptação e mitigação de mudanças climáticas da cidade de Teresina e esse plano é muito importante, pois temos visto as ferramentas da crise climática cada vez mais em eventos de deslizamentos e enchentes. Por isso, precisamos preparar a cidade para que esteja adaptada a essas intercorrências ambientais. Para que menos vidas sejam perdidas e menos malefícios cheguem à população. E para que isso seja feito de forma construtiva, precisamos levar em consideração o conhecimento científico, mas também o conhecimento tradicional. Oficinas como a de hoje são importantíssimas para inserir a visão de quem vivencia a cidade e tenhamos um plano o mais assertivo possível e que consiga levar Teresina para um futuro mais sustentável”, pontua Argemiro Teixeira, engenheiro e especialista em mudanças climáticas.

A Oficina permite a discussão dos principais indicadores de vulnerabilidade e exposição às mudanças climáticas a serem usados no estudo. Esta ação pretende trabalhar desde a contextualização sobre o projeto, dos objetivos aos dados já concretos do estudo, como também esclarecer sobre os principais riscos climáticos passados e futuros. Apresentar tendências de mudança do clima para os anos de 2040, 2070 e 2100, e também discutir medidas para adaptação.

Em 2021, através de processo licitatório, o consórcio ICare Estratégia Ambiental LTDA + CODEX Remote Ciências e Imagens Digitais LTDA, ficaram responsáveis pela elaboração do Plano de Ação Climática para a realização de um diagnóstico de vulnerabilidades à mudança do clima na capital. A ação servirá para mapear as áreas, populações e atividades potencialmente afetadas por essas mudanças, o inventário de Emissão de Gases do Efeito Estufa, permitindo o monitoramento de fontes emissoras e sumidouros.

“Hoje a gente teve uma oficina participativa do nosso plano de ação climática, que é uma das etapas coletivas durante esse processo. Fizemos um debate muito interessante sobre a situação atual de Teresina, trazendo uma perspectiva do passado e o que vem acontecendo com relação à mudança climática e uma previsão do futuro. O que pode acontecer se Teresina não agir em cima dessas emissões de gás de efeito estufa? É um trabalho da Prefeitura, mas também é um trabalho em conjunto com a sociedade. Todo mundo tem que estar consciente e todo mundo tem que ser inserido nesse processo de mudança, de perspectiva, de um futuro pra Teresina melhor a todos”, acrescenta Cíntia Bartz, coordenadora do departamento Agenda Teresina 2030.

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).